Como Brasil se tornou referência em algodão sustentável

O Brasil se tornou referência em algodão sustentável. Hoje, 85% de toda as plumas são rastreadas e a expectativa é que a rastreabilidade atinja 90% nos próximos anos.

A expectativa é que a safra 21/22 do algodão alcance 2,7 milhões de toneladas, em torno de 16% mais do que na safra 20/21. Isso coloca o Brasil como um dos maiores produtores de algodão do mundo.

Mas, não é apenas a pluma em si. O país também se tornou uma referência em algodão sustentável.

Hoje, 85% de toda a pluma é rastreada e a expectativa é que a rastreabilidade atinja 90% nos próximos anos.

Júlio Busato, presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA), conversou com o Planeta Campo para falar sobre as metas do Brasil.

Mais de 15 anos de trabalho

algodão sustentável

Busato disse que, para o Brasil alcançar o reconhecimento na produção do algodão sustentável, foram “17 anos de muito trabalho” para o desenvolvimento do sistema de rastreamento do algodão.

“Hoje, sabemos exatamente onde o algodão foi plantado e onde a pluma foi beneficiada. E também trabalhamos no programa Algodão Brasileiro Responsável”, lembra.

O selo Algodão Brasileiro Responsável

Algodão orgânico

O presidente da ABRAPA lembra que o selo tem uma certificação internacional, que garante a isonomia do processo, e a certeza de que aquele produto é sustentável.

“O produtor tem que cumprir com 178 itens, nos pilares econômicos, sociais e ambientais para poder ter a certificação”, disse.

O principal atributo que o selo traz é o posicionamento do país no mercado global, especialmente para a Ásia, grande comprador do algodão brasileiro.

Grandes varejistas compram algodão sustentável

algodão sustentável

Além de atuar na produção em si do algodão, a principal diferença é que a Abrapa conseguiu também fazer uma parceria com os grandes varejistas, que compram peças que utilizam o algodão sustentável nas roupas.

“Considero que o selo Algodão Brasileiro Responsável é o mais completo programa que visa sustentabilidade e boas práticas na produção no mundo todo”, afirma Júlio Busato.

Aumento da rastreabilidade pode conquistar novos mercados

A estimativa da Embrapa Algodão afirma que, em até dois anos, 90% do algodão brasileiro vai ser rastreável.

Isso garante, segundo Busato, a chance de conquistar novos mercados. E se a renda não aumentar tanto, o que importa, de acordo com o presidente da associação, é a credibilidade do produto brasileiro.

“É o agregado que importa. Quem comprar o produto vai saber que o algodão brasileiro é feito com todo o cuidado com a sustentabilidade”, completa.