Petrobras vê oportunidades ao Brasil na captura de carbono a partir de biocombustíveis

O Brasil, por exemplo, tem alto potencial para implantação de BECCS, como a produção de etanol a partir de cana-de-açúcar e milho

A tecnologia BECCS (Sistemas de Bioenergia com Captura e Armazenamento de Carbono, na sigla em inglês), pode ser uma grande oportunidade para o Brasil no mercado de carbono, avaliam executivas da Petrobras e Equinor.

O modelo envolve qualquer via energética onde o CO2 é capturado de uma fonte biogênica e armazenado permanentemente. O Brasil, por exemplo, tem alto potencial para implantação de BECCS, como a produção de etanol a partir de cana-de-açúcar e milho, pois esses processos geram fluxos de CO2 de alta pureza.

Acho que o potencial BECCS no Brasil é único: a possibilidade de utilizar os BECCS como um potencial para ter emissões negativas. O Brasil está em uma posição única na esfera dos biocombustíveis, avaliou a vice-presidente da Equinor no Brasil, Claudia Brun.

Ela participou de evento promovido pela Innovation Norway e pela Norwep (Norwegian Energy Partners) nesta segunda-feira, 23.

Ao capturar permanentemente o carbono absorvido da atmosfera através da fotossíntese, o BECCS pode ser caracterizado como uma tecnologia de emissões negativas que é combinada com geração de energia e/ou biocombustíveis.

“Temos muito potencial de soluções baseadas na natureza. Mas existem algumas indústrias que são muito difíceis de descarbonizar, é aí que penso que o papel do carbono perto de onde está localizada a fonte de carbono será muito importante”, pontua a executiva da Equinor.

A petroleira norueguesa, que encabeça uma das maiores iniciativas de CCS do mundo, anunciou este ano um projeto de BECCS, o Njord Carbon, em parceria com uma empresa que atua com florestas plantadas, para armazenar permanentemente no subsolo, o CO2 originalmente capturado pelo cultivo de árvores e produção de celulose e papel.

Vantagens do BEECS

Petrobras, Brasil

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Para a gerente executiva de mudança climática e descarbonização da Petrobras, Viviana Coelho, este modelo de captura de carbono deve ser encarado como uma prioridade, pelo menor custo econômico e por utilizar parte da infraestrutura existente na produção de biocombustíveis.

É definitivamente uma oportunidade, ter acesso a algo que é 99% CO2 puro, por isso penso que tanto o processamento de gás como o BECCS devem ser sempre uma prioridade, porque a captura é muito relevante em termos do custo total da cadeia de valor para CCUS, e é definitivamente uma oportunidade para poder ter emissões negativas associadas à produção de biocombustíveis, explica Coelho.

O processo de fermentação para produzir etanol permite o resgate de um CO2 com 98% de pureza para armazenamento. No Brasil, associações do setor calculam que a cada tonelada de milho é possível capturar 320 kg de CO2.

Segundo Coelho há um enorme potencial da tecnologia para viabilizar a emissão de créditos de carbono que compensem outras atividades emissoras. Achamos que isso poderia levar a créditos, o que talvez ajudaria também a descarbonizar algumas outras indústrias que não têm acesso a eles.

A última tonelada de carbono fica cada vez mais cara, por isso é sempre bom ter ancorado algo que possa ter 30 milhões de toneladas de CO2 em emissões negativas, o que é obviamente bastante significativo, explica a gerente da Petrobras.

Desafios da tecnologia

mercado de carbono, carbono, lei, carbon market

Foto: Envato

Entretanto, ela aponta para os desafios em relação aos reservatórios de estocagem desse carbono.

Estamos falando de pequena escala, pequenas operações, e principalmente em terra, e principalmente em áreas que não são necessariamente produtoras de petróleo ou que possuem infraestruturas que poderiam ser reaproveitadas, diz.

Uma alternativa seria o compartilhamento de infraestrutura que permita o barateamento do custo.

Quanto mais pudermos pensar em infraestruturas partilhadas nas quais se possam ter âncoras maiores que justifiquem o transporte, e depois aproveitar quantidades menores da produção de biocombustíveis, mais sucesso poderá ter, também como CCUS de pequena escala, pontua a executiva da Petrobras.

Claudia Brun, da Equinor, também aponta para o desafio de investimentos em conhecimento geológico, que permita identificar estruturas aptas para armazenamento de CO2 onshore. Fizemos muitos levantamentos sísmicos e geofísicos e todos offshore, muito pouco onshore, e como vai ser essa atividade também financiado é algo que será muito importante para que possamos realizar o potencial BECCS que o Brasil tem, avalia.

Projetos em desenvolvimento no Brasil

No Brasil, a produtora de etanol de milho FS Agrisolutions está investindo R$ 350 milhões em um sistema para capturar, comprimir e transportar o CO2 emitido pela fábrica de Lucas do Rio Verde (MT) até um local de armazenamento subterrâneo.

O projeto está em fase de confirmação geológica. Para isso, é preciso perfurar um poço de estudos de dois quilômetros de profundidade, o que deve ser feito em meados deste ano.

Usinas de etanol nos Estados Unidos e Reino Unido já investem na solução. Em Decatur, Illinois (EUA), o BECCS é aplicado em dois projetos da Archer Daniels Midland (ADM). Mais de 3,5 milhões de toneladas de CO2 foram armazenadas a mais de 2 km de profundidade desde 2011.

Esses projetos estão servindo de base para a expansão das redes ou hubs de captura e armazenamento de carbono, especialmente na parte central dos Estados Unidos, conta a pesquisadora Sallie Greenberg, da Universidade de Illinois.