Cacauicultura: solidariedade ajudou a salvar lavouras na Bahia

Após uma praga que devastou plantações na Bahia, a iniciativa de um agricultor, que distribuiu galhos de graça ajudou a salvar cacauicultura no Estado.

O Brasil tem 93 mil produtores de cacau concentrados na Bahia e Pará, que, juntos, representam 96% da produção nacional.

O país é o 6º colocado na produção mundial do fruto.

Uma nova portaria que entra em vigor em setembro quer promover o desenvolvimento da cacauicultura.

O objetivo é levar inovação por meio da geração de tecnologias, produtos, processos e serviços em benefício do cacau.

Cacauicultura de perto

Cacauicultura

O Planeta Campo foi conhecer uma dessas produções que conta com auxílio de um programa de assistência técnica e certificação.

Cláudia Sá é a proprietária de um dos campos, que fica em Ilhéus, na Bahia. A história dela com o cacau vem desde o pai, que já cultivava o fruto.

Solidariedade foi fundamental para retomada da cacauicultura

E imaginar que na década de 1990 o cenário era bem diferente.

Uma doença, chamada podridão parda, dizimou a cacaicultura da Bahia. Muitos produtores perderam tudo, e até desistiram da lavoura.

Mas, o pai de Cláudia soube contornar a dificuldade, e ainda ajudou outros agricultores a salvar o campo.

“Meu pai correu todas as fossas para verificar quais plantas não tinham sido afetadas pela vassoura, e foram marcadas. Ele observava mensalmente como as plantas se desenvolviam. Nisso, alguns testes foram feitos com outras sementes”, explica.

No caso, a semente PS 1319 foi a que melhor se desenvolveu na região e conseguiu evitar a podridão parda.

“Outros produtores começaram a perceber que estava dando certo e chegavam aqui. Meu pai dava os galhos de graça, com o objetivo de reerguer as plantações de cacau aqui”, lembra.

Valorização do cacau

Entenda os 3 desafios para a expansão do cacau na Amazônia

Sistemas agroflorestais são importantes para reduzir desmatamento

O que os produtores querem é que a cacauicultura brasileira seja reconhecida no exterior. Por isso, ações mais sustentáveis estão sendo planejadas.

“Nós queremos ser mais do que simples produtores, e que o cacau seja mais do que apenas uma amêndoa e chocolate. Acredito que o cacau tem potencial para contribuir na alimentação das pessoas”, afirma Cláudio Silva, gerente da Fazenda Leão de Ouro, outra cacauicultura da região.