Chuva 10 vezes mais forte que a prevista devasta lavouras na Bahia

Em 4 dias, Itamaraju acumulou quase 500 mm de chuva, mais que o dobro da média para dezembro.

Chuva 10 vezes mais forte que a prevista devasta lavouras na Bahia

As chuvas fortes que atingem a Bahia já deixaram pelo menos 10 mortos no estado. Segundo o último balanço divulgado pela Defesa Civil estadual no início da tarde desta nesta segunda-feira (13), nas regiões mais afetadas cerca de 15.199 pessoas estão desalojadas e 6.371 desabrigadas. A população atingida chega a mais de 220 mil pessoas.

Os temporais na última semana fizeram rios transbordarem, casas foram inundadas, e com estradas e pontes destruídas algumas cidades estão ilhadas e incomunicáveis. O governador da Bahia, Rui Costa, declarou situação de emergência em pelo menos 51 municípios. Já o governo federal reconheceu até agora o estado de emergência em 24 municípios baianos.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, os municípios mais afetados no extremo sul são: Eunápolis, Guaratinga, Itabela, Itanhém, Mucuri, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália, Teixeira de Freitas e Vereda, além de Jucuruçú, Medeiros Neto, Prado, Itamaraju, esses quatro últimos também concentram juntos o maior número de desabrigados 3.956. No sul do estado foram atingidas as cidades de Mascote, Itacaré, Itabuna, Ilhéus, Canavieiras, Camacan e Belmonte.

Áreas atingidas por enchentes no Estado da Bahia. Foto: Isac Nóbrega/PR

Embora a chuva tenha diminuído significativamente e em muitas localidades as águas estejam baixando, a força-tarefa mobilizada pelo governo do estado para atendimento à população no extremo sul com equipes do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, Grupamento Aéreo da Polícia Militar e a Defesa Civil do estado seguem atuando.

Mais de 1,5 mil cestas básicas, além de roupas, água e itens de uso pessoal já foram distribuídos pelos grupamentos de bombeiros militares das cidades de Porto Seguro e Eunápolis. Os donativos foram recolhidos pela população e entregues com ajuda dos agentes.

Excesso de chuva

Em 4 dias, Itamaraju acumulou quase 500 mm de chuva, mais que o dobro da média para dezembro. A média de chuva normal para dezembro nesta região varia de 175 mm a 200 mm. Chuva em Salvador também já passou a média para este mês.

Além da Bahia, a semana foi marcada por chuva muito volumosa em Minas Gerais, especialmente no Vale do Jequitinhonha) e no Espírito Santo, que causou muitos estragos e deixou vítimas.

Confira alguns volumes de chuva muito elevados, acumulados em 4 dias, em alguns locais da Bahia. A medição foi do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Desastres Naturais) entre aproximadamente 19 horas do dia 6/12/021 até 19 horas do dia 10/12/2021

Itamaraju: 491 mm

Porto Seguro: 253,6 mm

Guaratinga: 219,8 mm

Ilhéus: 216,1 mm

Itabuna: 116,1 mm

Nova Viçosa: 115,2 mm

Belmonte: 111,0 mm

Salvador: o triplo da chuva do mês em 10 dias

Entenda os motivos

Em Salvador, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, o volume de chuva acumulado nos 10 primeiros dias de dezembro de 2021 foi de 175,6 mm, cerca de três vezes mais do que a média de chuva normal para todo o mês de dezembro, que é de 58,1 mm. Apenas entre 9 horas do dia 9 de dezembro e 9 horas do dia 10, choveu 88,3 mm na região do bairro Ondina.

Uma forte concentração de umidade, por vários dias consecutivos, manteve muitas áreas da Bahia debaixo de nuvens carregadas, que provocaram volumes de chuva extremamente elevados em algumas regiões do estado. O sul da Bahia foi a região que teve chuva mais volumosa. Mas a tempestade subtropical Ubá que se formou entre os dias 9 e 10 dezembro de 2021 não está associada a esta chuva tão intensa.

A circulação de ventos em vários níveis da atmosfera, em diferentes regiões da América do Sul, organizou um intenso corredor de umidade entre a Amazônia, a Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo.

Esta engrenagem de ventos começou a atuar no início desta semana e ainda podia ser observada nesta sexta-feira, 10 de dezembro. Esta massa úmida concentrada estimulou a formação de extensas e persistentes áreas de nuvens de chuva sobre o centro-norte do Brasil nos últimos dias.

Não é comum esse tipo de catástrofe no sul da Bahia. Apesar de ser característico da região, nessa época do ano, receber mais umidade que vem da Amazônia. Desirée Brandt explicou o detalhes no programa de hoje.

Confira o programa na íntegra: