Com economia circular, Ceagesp gera economia de quase R$ 800 mil

Na Ceagesp praticamente todos os resíduos são reciclados: palha de milho, madeira, resíduos de peixe. O que contribui para a limpeza do local e uma economia, só em 2022, de 800 mil reais.

O maior entreposto de alimentos da América Latina, a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) está fazendo uso da economia circular e contemplando todos os elos da cadeia produtiva de alimentos.

Responsável por movimentar mensalmente 280 mil toneladas de alimentos, a Companhia está reciclando os resíduos da feira. De acordo com o chefe de reciclagem da Ceagesp, Marcelo Farnezi, é feita a reciclagem de madeira, resíduos de peixe, palha de milho, palha de hortifruti como melancia e abacaxi, enfim de todos os resíduos orgânicos.

Cadeia de oportunidades

Para o técnico da Ceagesp, Luciano Legaspe, é preciso estar sempre aberto e atento às necessidades dos produtores rurais para identificar qual produto descartado pode atendê-los, e assim criar uma nova oportunidade dentro da cadeia.

“A gente procura reciclar todo tipo de resíduo e busca parceiros para que eles possam usar isso da melhor forma possível. Pode ser um criador de animais, por exemplo, que vai usar o material descartado por algum problema na ração ou também  transformar em composto ou energia“.

Francisco Borges, permissionário, também contou que geralmente busca palha de milho para fornecer para um amigo proprietário de um haras.

“Eu pego para ajudar um amigo que tem um haras e tem dificuldade em encontrar a ração ou feno para esses animais em algumas épocas do ano. Sempre que eu posso, eu levo para complementar o alimento dos animais”, contou.

Ceagesp limpo e sustentável

Além da possibilidade de gerar renda para mais pessoas e tornar a cadeia mais sustentável, a economia circular também mudou o cenário do local. Agora o Ceagesp é um lugar mais limpo.

“Faz muito bem a reciclagem por causa de enchente, de sujeira, você não acha mais papel jogado no chão”, disse o coordenador dos catadores de papelão, Gilberto Souza.

Um dos resíduos mais disputados na Ceagesp é o capim, muito utilizado para proteger frutas como o abacaxi e a melancia. Mas o destino desse componente já tem público certo: os produtores de champignon.

“Os produtores de champignon usam o capim como substrato na produção do cogumelo e depois esse cogumelo volta para a Ceagesp como produto”, pontuou Legaspe.

Balanço 2022

O volume de resíduos reciclados em 2022 aumentou, foram pelo menos 2.300  toneladas de resíduos, o que representou uma economia de quase R$ 800 mil.

“Todo mundo é uma cadeia, temos que ter em mente que a reciclagem é pra todo planeta”, resumiu chefe de reciclagem, Farnezi.