Fazenda Mantiqueira é exemplo de como gestão dos 4Ps funciona na prática

Pertencente ao Grupo Roncador, a Fazenda Mantiqueira tem gestão que prioriza plantas, pecuária, pessoas e planeta, que garante produção e sustentabilidade

A produção de alimentos vive uma nova realidade: o compromisso com a sustentabilidade e respeito às pessoas, encarando a propriedade rural como um organismo agrícola vivo.

Nisso, a Fazenda Mantiqueira, mantida pelo Grupo Roncador, se destaca como uma das precursoras dessa mudança da gestão rural, apostando no conceito dos “4Ps”.

Como era antes

Localizada no Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo, a Fazenda Mantiqueira é o exemplo de como essa gestão dá certo.

A fazenda foi adquirida completamente degradada. O agropecuarista Pelerson Dalla Vecchia lembra que existiam muitos tocos de eucalipto, rabo-de-burro e capim margoso.

“Precisamos fazer um processo de implementação de pecuária de cria e engorda. Não era nem a criação extensiva, mas também não era intensivo. Nesse meio do caminho precisamos mudar a nossa visão, e, por consequência, isso mudou o sistema produtivo como um todo”, acrescenta.

A Fazenda Mantiqueira hoje

Fazenda Mantiqueira

Hoje, as boas práticas ambientais, sociais e econômicas são o tripé da Fazenda Mantiqueira.

Na pecuária, por exemplo, o ciclo é sem recria. O animal vai da cria para a engorda, pelo setor de suplementação a pasto, conhecido como “SUP”.

“Os animais são desmamados de seis para sete meses, quando vão para o SUP. Lá eles ficam até os 15 meses, quando são abatidos. Na suplementação, o ganho de peso do macho gira em torno de 1,2kg e das fêmeas perto de 1kg por dia. Então, a gente abate os machos com 18 arrobas e as fêmeas com 14 arrobas”, explica o agropecuarista.

Integração lavoura-pecuária

Outra marca da Fazenda Mantiqueira é a integração lavoura pecuária, também conhecido por ILP.

Em outubro, a soja é plantada para ser colhida em fevereiro, quando entra o milho com capim. A safrinha é colhida em agosto com o capim por baixo, onde o gado vai pastejar.

Então, segundo Dalla Vecchia, o pior momento para conseguir alimento para o gado, que é no período da estiagem, “passa batido”.

“A gente insemina a vaca o ano inteiro e tem disponibilidade de oferta de capim para os animais o ano inteiro. A consequência é que não temos sazonalidade, que é outro benefício do sistema”, aponta.

“Esse sincronismo da engrenagem do campo é uma linha muito tênue para conseguir romper e ter sucesso produtivo. Então, há tanto tempo que eles vem conseguindo essa produtividade, essa sinergia fica muito boa entre o grão e boi”, complementa Renan Sugahara Permigiani, gerente de produção da Fazenda Mantiqueira.