Novas profissões invadem o campo

Pesquisa mostrou que carreiras ligadas à tecnologia no agro devem gerar 178,8 mil vagas de emprego até o próximo ano

Atualmente no agronegócio a medida que a demanda por alimentos cresce, a necessidade de profissionais mais qualificados no campo também aumenta. Uma pesquisa intitulada Profissões Emergentes na Era Digital,  Oportunidades e Desafios na Recolocação Profissional para uma Recuperação Verde mostrou que as profissões ligadas à tecnologia no agro devem gerar 178,8 mil vagas de emprego até o próximo ano.

Durante entrevista ao Planeta Campo, o professor – doutor da Esalq, Carlos Eduardo Vian, explicou que a evolução com o uso de tecnologia no campo fez que com o agro passasse a exigir profissionais mais qualificados para, por exemplo, trabalharem com maquinários digitalizados, drones, dados, análise de culturas, entre outros.

“E toda essa nova tecnologia envolve diversas profissões como engenheiros agrônomos, engenheiros de computação, profissionais de tecnologia de informação. Por exemplo os TI’s eram exclusivamente de indústrias, hoje já tem oportunidades no agronegócio”, pontuou.

Sucessão em alta

Outro diferencial das novas configurações no campo é a questão da sucessão familiar.

“Antes tínhamos a preocupação do campo não ser atrativo para o jovem, com a tecnologia isso tem mudado. O campo passou a ser atrativo, o jovem que saiu para fazer um curso técnico, universitário, tem voltado com o conhecimento e implementado coisas importantes”, explanou Vian.

Bons salários

profissões

Para o professor, além da  diversidade de outras profissões no campo, os salários também tendem a ficar melhores.

“Algumas profissões serão substituídas por profissionais mais preparados e especializados para a função, e claro que poderão receber mais por isso. No interior então, onde o custo de vida é menor, isso é bem mais atrativo”, finalizou.