1º Prêmio Planeta Campo: reconhecimento de práticas ESG

O 2º Fórum Planeta Campo, que vai acontecer em 8 de dezembro em São Paulo, tem uma novidade este ano: o 1º Prêmio Planeta Campo de sustentabilidade. Inscrições vão até 26 de setembro.

O 2º Fórum Planeta Campo, que vai acontecer em 8 de dezembro em São Paulo, tem uma novidade este ano: o 1º Prêmio Planeta Campo de sustentabilidade.

Vai ser a primeira vez que produtores que adotam práticas alinhadas ao conceito ESG (“Environmental, social, and corporate governance”, governança ambiental, social e corporativa em tradução livre) vão ser reconhecidos.

As inscrições podem ser feitas no site do prêmio.

O 1º Prêmio Planeta Campo

1º Prêmio Planeta Campo

João Santos, especialista em ESG e sócio da Integrow, corealizador do evento junto com Canal Rural, Instituto Ethos, GTPS e GAAS, conversou com o Planeta Campo e disse que todos os produtores podem participar, desde os pequenos até os grandes.

Na hora da inscrição, é necessário preencher as informações de todas as medidas que são adotadas observando o conceito ESG.

“Cada uma dessas três categorias vão se subdividir em temas, e aí o produtor vai fazer um relato de quais as práticas de produção dele, tanto na área social, quanto na ambiental e na de governança. Vai ser dada uma pontuação nisso”, explica.

O pensamento é no conhecimento

O Integrow está desde o começo da concepção do 1º Prêmio Planeta Campo junto ao Canal Rural e o Instituto Ethos, e também tem uma plataforma virtual que permite que o produtor monitore as ações sociais e de governança que são tomadas.

“Uma das funções do 1º Prêmio Planeta Campo é ser educativo. É fazer com que os produtores possam pensar nas medidas que atendam ao ESG e passar o máximo de informações possíveis para eles”, aponta.

Quem vai ser reconhecido?

O 1º Prêmio Planeta Campo vai dar prêmios em duas categorias: pecuária e agricultura.

“A gente acredita que o reconhecimento das ações positivas e depois o desdobramento delas, com a multiplicação para o mercado, é uma das estratégias mais eficientes para que tenhamos um campo cada vez mais sustentável. Aliás, acho que nós já temos um campo muito sustentável”, complementa.