Produção de iscas vivas em aquaponia traz vantagem econômica e sustentável

O sistema otimiza o uso de recursos naturais e de espaço, e pode significar mais ganhos para o produtor.

Produção de iscas vivas em aquaponia traz vantagem econômica e sustentável

Uma pesquisa científica realizada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo possibilitou a criação de espécies utilizadas como isca viva em conjunto com a produção de hortaliças. O sistema, conhecido como aquaponia, otimiza o uso de recursos naturais e de espaço, e pode significar mais ganhos para o produtor.

A aquaponia é um sistema de produção de alimentos que combina a aquicultura convencional (criação de organismos aquáticos tais como caramujos, peixes, lagostas e camarões) com a hidroponia (cultivo de plantas em água) em um ambiente simbiótico.

Segundo o pesquisador do  Institutos de Pesca (IP),  Marcello Boock, nesse sistema peixes ou camarões de água doce são mantidos em reservatórios de pequeno porte (até mesmo caixas d’água), onde recebem a ração. “Em decorrência das excretas produzidas (fezes e amônia) e das sobras de alimento presentes, a água passa a ter altas concentrações de nutrientes — esses servirão de adubo para as plantas”, explicou.

Ainda segundo Book, a água carregada de nutrientes é constantemente bombeada para o outro componente do sistema, que seria a parte correspondente à hidroponia, onde as mudas, posicionadas em ‘prateleiras’, são plantadas em substrato próprio. 

Grow salad in greenhouse pure eco frendly agriculture

Depois de absorvida parte dos nutrientes pelas plantas, essa água retorna, por gravidade, para o tanque de cultivo dos camarões ou peixes. Isso ocorre continuamente, é um Sistema de Recirculação de Água”, complementa.

O pesquisador ressalta que o sistema configura um ciclo fechado, onde o uso dos recursos é otimizado. “De um lado, a água carregada de nutrientes, que seria tóxica para os peixes, serve de solução nutritiva para o desenvolvimento das plantas; por outro, ao passar pelas raízes e pelo substrato de cultivo, a água retorna purificada, sem que seja necessário trocá-la”, afirmou. 

Diferencial

A água retornando continuamente para os peixes faz com que quase não haja gasto de água. Utiliza-se quase a mesma água durante todo o cultivo, só sendo necessária a reposição do que é perdido por evaporação e evapotranspiração das plantas. Este fato é o diferencial dos sistemas comuns de aquicultura e hidroponia, onde há troca constante de água e necessidade de tratamento do que é descartado.

A principal vantagem do sistema é o uso consciente dos recursos naturais, principalmente a água. “Nesse sistema, devido à recirculação, gasta-se até 90% menos água do que em um sistema de produção agrícola convencional, que utiliza irrigação”, garante o pesquisador do IP. 

O impacto ambiental do método se resume aos gastos de energia elétrica para operação das bombas. “Esse consumo é pequeno, dado que são bombas de baixa capacidade, uma vez que o sistema é, atualmente, mais adaptado a pequenos produtores e piscicultores familiares”, pontua o especialista. Vale lembrar que usar energia fotovoltaica acoplada ao sistema, reduz ainda mais o impacto de seu funcionamento.

Parceiro de Boock no projeto, que está sendo desenvolvido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Pirassununga do Instituto de Pesca, o pesquisador do IZ Fernando André Salles elenca outras vantagens do método. “Por sua natureza essencialmente recicladora, a aquaponia permite uma economia no uso de fertilizantes sintéticos na produção de vegetais, além de evitar a descarga de nutrientes potencialmente poluidores provenientes da piscicultura”, ressalta Salles. “Outro aspecto interessante da aquaponia é o fato dela poder ser utilizada em escala doméstica, aumentando desse modo a segurança alimentar das famílias, com o consumo de pescados e principalmente de vegetais frescos produzidos diariamente”, acrescenta.

Salles acredita que o modelo é aplicável a diferentes regiões de SP e também em outros Estados, podendo contribuir muito com o desenvolvimento de regiões semiáridas, como boa parte do Nordeste brasileiro. “A aquaponia pode, ainda, ser conduzida em ambientes urbanos e periurbanos, em proximidade ao mercado consumidor, diminuindo desse modo o transporte de mercadorias e, por conseguinte, a emissão de carbono proveniente da queima de combustíveis”, enfatiza Salles.

O estudo foi realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio de parceria entre os Institutos de Pesca (IP) e de Zootecnia (IZ), da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA).