O aumento da frequência das chamadas zonas mortas, onde a oxigenação é quase inexistente, afetará a diversidade de vida marinha